sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Sua religião, não te permite o quê?




ADEUS MEDO DA VELHICE


Por algum tempo eu ficava me imaginando mais velho e batia um medo tremendo. Olhava para o meu pai e admirava seus cabelos brancos e pele enrugada e me encantava com seu saber colhido nos jardins da vida, mas apesar disso me batia um medo. Meu pai era do tipo que se o víssemos de dez em dez anos diríamos: ___ seu Luiz Flor, o senhor parece que está guardado no formol. Mas mesmo assim batia um medo.

Verdade que com a velhice vem a sabedoria, mas pensava, será que não dá pra ficar um pouco mais sábio novo não? Dá. Eu sei. Mas o passar dos anos depura o saber e o transforma em sabedoria. É justamente na velhice que precisamos muito mais de sabedoria para encurtar os caminhos já que a força vai se definhando.

Mas de uns tempos pra cá, que os cabelos brancos ficaram mais visíveis que comecei a perder o medo da velhice. Será que porque é inevitável? Talvez. Mas porque vejo todos os dias notícias dando conta de que acharam coisas de centenas de anos e dedicam toda atenção destinando equipes para estudos, museus para guardar estas relíquias, páginas de jornal importante tratando dos achados, seguros caríssimos para evitar danos a esses achados, que Perdi o medo da velhice.


Bem vindos cabelos brancos.

Imagem legal











Poesia visual

Se algum desconhecido te oferecer flores:
eu mato!

UNIVERSAL E PARTICULAR

Você tem sido a
A Soma
A multiplicação
De todas as mulheres
Do mundo
Emoldurada em
Uma só forma
Pra mim.

Simples assim… 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

EU ANDEI DE TREM

Eu andei de trem.  Barulhento sobre os trilhos com gente conversando num trem que ia dançando. Passava de estação em estação balançando e admirando os passantes que ficando distantes iam para seus afazeres embalados no coração pelo balanço do trem. Cheguei a Estação da Primavera… O trem sobre os trilhos balançando seguia apitando, avisando: cuidado com a vida! Estamos chegando trazendo vidas. Abrace uma ou muitas. Alegria! o trem dançando parecia dizer com seu apito rouco. Passava de estação em estação e sempre parava na estação da Primavera… A vida não é só de flores, mas na vida tem muitas flores o trem parecia dizer com seu barulho louco, pesado, nem tão rápido nem tão lento. O trem dançando passava de estação em estação chegava à estação da vida trazendo alegria.

Que saudade eu sinto do trem meu Deus!...

Supernova

Queria um amasso
Dentro de um abraço
Sem espaço para fugir
Até me diluir

E como água
Tomar a forma
Da tua forma

Perder as forças
De reagir e como
Um fraco sucumbir

E como um louco
Um alquimista insano
Transformar dois corpos
Em um único e mesmo plano

Acho que isso é paixão
Aquele desejo de querer
Se perder e perder o chão

Uma explosão
Uma supernova
Abrasão faiscando

Produzindo combustão.