terça-feira, 22 de novembro de 2016

SOCIALITES

Esses dias estive pensando sobre apelidos. Então por curiosidade pesquisei sobre o assunto na net. Se os dicionários são considerados o pai para o saber a internet é a mãe. E você sabe, não é? Na net tem tudo. Se é verdade ou mentira é outra história.

Bom. Um site me informou que esse negócio de reconhecer as pessoas com nome e sobrenome é coisa nova. Antes, as pessoas, especialmente as ricas, eram conhecidas por apelidos. Os reis, por sua vez eram os mais castigados nessa parte.

James II é um dos mais odiados reis da Inglaterra. Como queria derrubar o parlamento ficou conhecido como “James, The Shit”. Traduzindo “James, O Merda”.

Edward I era conhecido como “Edward Longshanks”. Em Português “Eduardo, O Canela Longa”.

A Inglaterra era especialmente cruel quando não gostava de uma pessoa e lhes dava apelidos horrendos. Luís V, rei da França ficou conhecido como Luís, O Preguiçoso, isso por causa de sua falta de iniciativa.

Diferente dos países da Europa que eram cruéis quando davam apelidos para os que não gostavam, os brasileiros fazem exceção. Para os ricos mesmo os que têm comportamentos nocivos dão apelidos pomposos.

Por exemplo, a gente sabe muito bem que os políticos brasileiros são muito corruptos e mesmo assim são apelidados de “Vossa Excelência”. O sujeito não estudou, nunca riscou uma letra num vestibular ou faculdade e porque tem dinheiro é apelidado de “Doutor”. A moça que posa nua para uma revista masculina famosa é apelidada de “artista”. E se for profissional do sexo, mas for com pessoas que pagam bem o apelido é de ”Garota de programa”.

Para os pobres ou não conhecidos na mídia a coisa é muito diferente. É corrupto, mas não é político é bandido, ladrão, salafrário. Se a moça sai com um e com outro e ganha uns trocadinhos é puta, rapariga, piranha e vadia se expõe fotos peladas na net, já que não vai para as revistas masculinas da vida. Com os que tem dinheiro e nunca estudaram, a coisa é diferente, porque dinheiro compra título e respeito (nem importa a origem) ainda assim são “doutores”.

Meus amigos eu fui surpreendido com um apelido intrigante. Socialite. O que é isso? É a mulher de um ricaço, prefeito ou governador ou outra personalidade qualquer que por falta de ter o que fazer, resolve não fazer nada, mas faz nada de forma tão convincente que sua inutilidade é digna de destaque em jornais locais e em revistas bem conceituadas e sérias.

Se fosse pobre seria desocupada, vagabunda, do lar e por aí vai.

Nenhum comentário: